Poder da Repetição no Aprendizado e Memorização

A repetição é uma ferramenta poderosa que nos ajuda a aprender e dominar habilidades, conteúdo ou qualquer coisa que deseja memorizar.

Quando alguém tem aulas de piano, receberá uma série de exercícios para repetir. Essas tarefas geralmente são escalas e arpejos. Mas, depois do mestrado do aluno, eles recebem exercícios mais difíceis de praticar.

Aprender uma língua estrangeira também requer repetição. Ao repetir palavras desconhecidas ou usá-las em frases, será mais natural para o aluno. As pessoas estudam as palavras, e as repetem até entenderem o que significam.

Nos esportes, encontramos repetição em exercícios, etc. Os treinadores dão aos jogadores uma série de exercícios para repetir até que se torne segunda natureza. Quando o jogador domina a habilidade, eles nem precisam ser avisados para usá-los. Os treinadores só precisam ajudar os jogadores a montar um plano sobre quando usá-los.

Quando nos deram lição de casa na escola, muitas vezes era na forma de tarefas repetíveis. Pense em quando você teve que aprender tabuada. Você simplesmente fica repetindo isso até que você consiga realizar sem esforço.

O cérebro e a repetição para aprender

Nosso cérebro registra todas as nossas memórias e aprendizados por meio das sinapses neurais, que são as conexões entre nossos neurônios.

Porém, essa conexão inicialmente é frágil, precisamos ir fortalecendo-a para ter aquela memória e aprendizado “impregnado” em nossa mente.

Como fazemos isso?

Por meio da repetição. É a repetição que fortalece essas conexões neurais, gerando a nossa memória de longo prazo e consequentemente o aprendizado.

O maior problema com a repetição é que as pessoas ficam entediadas.

Adoramos novas experiências e a emoção que vem com elas. Mas, quando devemos repetir tarefas, muitas vezes preferimos fazer outra coisa. É por isso que é difícil, por exemplo, desenvolver a prática de piano ou repetir as mesmas palavras ao aprender uma língua estrangeira, etc.

Para ajudar a aliviar o tédio das tarefas repetitivas, você deve tentar limitar o tempo gasto com elas. É melhor praticar algo em curtas durações consistentemente, porém, de forma consistente.

A chave é a consistência. Tente praticar suas habilidades por 15 ou 20 minutos por dia e, em seguida, afaste-se dela.

  • Aqui vale para tudo:
  • Aprender a tocar um instrumento;
  • Aprender um novo idioma;
  • Memorizar uma matéria importante;
  • Estudar grande volume de conteúdo;
  • Fazer exercício;
  • Etc.

Outro problema com a repetição, é que tendemos a recuar sobre ela, quando deveríamos estar avançando.  Este conceito é conhecido como um platô.

Quando você repete algo ao ponto de ficar bom nisso, você se sente  satisfeito por poder fazer a tarefa. Quando você tenta avançar para um novo nível, você tende a reverter para a tarefa do nível anterior.  Se isso acontecer, tente se concentrar em como você se sentiu quando você se torna habilidoso na tarefa anterior.

Às vezes, você pode precisar revisitar uma habilidade anteriormente dominada. Por exemplo, depois de dominá-la, você colocá-la de lado e esquecê-la. Você está um pouco enferrujado quando a revisita.

A boa notícia é que não será preciso muito para recuperá-lo usando repetição.

Concluindo, sempre que desejar aprender algo, é preciso repetir, repetir e repetir.

Certa vez ouvi uma frase que representa muito bem o que estamos conversando:

A repetição é a mãe do aprendizado.

Então, repita sempre que desejar aprender algo novo.

Uma forma de fazer isso, principalmente quando deseja memorizar algum conteúdo de um livro, aula ou qualquer informação, é utilizando os mapas mentais.

Com ele, você pode, por exemplo, resumir um livro inteiro em uma única folha, assim, facilitando as revisões futuras daquele material.

Tenho um curso mais detalhado sobre isso, clique aqui para conhecer mais detalhes.

Deixe seu Comentário

Prof. Filipe Iorio

Fundador do MapaMental.org e especialista em alta performance mental.

Há mais de 10 anos pesquisando técnicas de aprendizagem e alta performance mental. Pós-graduando em Neurociências e Comportamento.

Com meus cursos, livros e palestras, já ajudei mais de 22 mil alunos.